LAGOA DO SÍTIO: CANDIDATO A VICE-PREFEITO É AGREDIDO - Mestiço News | Notícia de Verdade

DESTAQUES

Seja bem vindo! Hoje é

22/09/2016

LAGOA DO SÍTIO: CANDIDATO A VICE-PREFEITO É AGREDIDO

Durante reunião administrativa na câmara de vereadores nesta última quarta (21) o vereador e candidato a vice-prefeito pela chapa encabeçada pela a senhora Wilma, viúva do ex-prefeito Dr. Lindomar, Gilvan Araújo, foi agredido física e verbalmente.

Segundo informações concedidas pelo o próprio Gilvan Aaújo ao Portal V1, o mesmo juntamente com o vereador Chico de Valdemar haviam se reunido para tomar conhecimento da resposta da controladoria do município e da secretaria de finanças em relação ao envio dos extratos das contas bancarias do Executivo referentes aos meses de maio, junho, julho, agosto e setembro.
Os vereadores queriam entender os procedimentos adotados pela prefeitura em relação ao pagamento de parte dos servidores, através de depósitos bancários que segundo o vereador não é permitido pela legislação.
Segundo Gilvan Araújo quando estava na câmara ele foi surpreendido por uma pessoa conhecido como Bidogo que o agrediu com palavras de baixo calão e com um soco nos peitos. Após ser agredido, o vereador veio a Valença onde se reuniu com a assessoria jurídica para adotar as medidas cabíveis.
Foto da Internet
Segundo informações prestadas ainda pelo próprio vereador, é a segunda vez que um parlamentar de Lagoa do Sítio sofre agressões. Gilvan informou ao Portal V1 que no dia 05 de agosto o vereador Chico do Valdemar foi agredido "em plena sessão da Câmara", disse.
É lamentável! É o velho jeito de fazer política da maioria das cidades do interior do Piuaí. Costumeiramente, a prática de desrespeito e agressões verbais por parte dos representantes eleitos pelo o povo entre si é evidente; agora, partir para a agressão física: é o cúmulo!
Fica aqui um exemplo de como não fazer política. Fica aqui mais uma evidência que precisa-se fazer uma reforma profunda no relacionamento entre políticos e sociedade. 
Aquele modelo arcaico de fazer política, como se cada eleitor fosse parte integrante de uma torcida organizada e os que disputam as eleições fossem uma espécie de Fla x Flu em dia de decisão, onde cada um quer "devorar" o outro, acabou. A sociedade brasileira, principalmente, já entendeu que fazer política, antes de tudo, é ter compromisso com a coisa pública, com o bem comum e, acima de tudo, respeito mútuo entre representantes eleitos e sociedade eleitora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário