ELEIÇÕES 2016 EM PIMENTEIRAS: O SALDO NEGATIVO - Mestiço News | Notícia de Verdade

DESTAQUES

Seja bem vindo! Hoje é

06/10/2016

ELEIÇÕES 2016 EM PIMENTEIRAS: O SALDO NEGATIVO

Aconteceram no último domingo (02 de outubro) as eleições municipais em todo o país. Um evento de democracia que elegeu prefeitos e vereadores que estarão responsáveis pela a administração de cada município brasileiro pelos próximos quatro anos.
Em Pimenteiras, o atual administrador Antônio Venício do Ó de Lima conseguiu reeleger-se com pouco mais de 700 votos de maioria em relação ao segundo colocado, o médico Francisco Antão Arraes (o Dr. Arraes). Em números oficiais, o atual gestor obteve 4.175 votos contra 3.381 do Dr. Arraes.
Democraticamente, fora eleito aquele em que, a ainda maioria da população pimenteirense, demonstrou maior confiança de depositar o seu voto.
Graças a Deus foi uma eleição tranqüila, no que diz respeito à disciplina e a ordem da realização do pleito. No entanto, quero tratar aqui do saldo negativo daquilo que considero algo a ser “tratado” pelo o eleitorado pimenteirense: a politicagem e o partidarismo político.
Mais uma vez, viu-se entre os eleitores de Pimenteiras um comportamento que já se torna quase ultrapassado (pois hoje a política está em descrédito, a politicagem mais ainda), pessoas perdendo amizades, conflitos, escárnio aos eleitores adversários, agressões verbais, e, segundo informações do portal Valença Online, agressões físicas (onde a discussão, segundo a matéria, entre uma jovem e uma senhora acabou com três pessoas da mesma família feridas a pauladas) e ainda, como diria um certo interiorano, a “encheção de saco”.
É algo que está tão arraigado na cultura do pimenteirense, que chega ao ponto de pessoas empenharem o pouco que conseguiram com o seu esforço de trabalho durante a vida em apostas, uma forma meio que desesperada de sempre mostrar que seu candidato é o “tal” é o melhor, como dizem por aí, “é o cara”.
Isso, como diria minha vó, é uma “besteira”. Sabe por quê? Porque os políticos, por mais que na época de campanha critiquem uns outros, se eles tiverem oportunidade, em outra eleição estarão juntos no mesmo palanque e você, que matou, que morreu, que se entrigou, que perdeu a aposta, que brigou com seu pai, com sua mãe, com seu irmão, é que sempre sairá como perdedor. Não adianta, essa forma de participar da política não está mais com nada.
Uma pessoa que participa da política dessa forma geralmente não tira para pensar sobre quem ela está elegendo. Sabe por quê? Porque para essa pessoa o que prevalece é que ela tem de conseguir fazer com que seu candidato ganhe para ela “triunfar” sobre o outro. Em síntese, eu digo aqui, enquanto a nossa política for enxergada como competição, nós pimenteirenses não temos muito a esperar não.
Pimenteiras e os pimenteirenses saem perdendo com isso. Há sim, um saldo negativo aqui. Nós precisamos entender que política não é futebol; nós precisamos entender que, embora na disputa eleitoral hajam candidatos de A a Z, aquele que se elege tem a obrigação e o dever de cuidar e de governar para todos. O prefeito que se reelegeu em Pimenteiras não será, como não é, prefeito apenas de quem votou nele; ele é e será prefeito de toda a Pimenteiras e de todos os pimenteirenses. Se não for assim, estamos vivendo em uma ditadura e não em uma democracia.
Eu, sinceramente, como pimenteirense, espero o dia em que possamos dizer: Pimenterias, a terra do povo consciente que tem em suas mãos e usa a verdadeira ferramenta para as mudanças do seu destino: o voto consciente!


Um comentário:

  1. Belo texto...
    Concordo com os autores em gênero, número e grau!
    É idiotice achar que, numa campanha democrática, apenas um candidato é o correto, é o certo, é o competente e etc...
    Meus aplausos!
    Vamos torcer para que o eleitorado de Pimenteiras aprenda com mais essa lição!

    ResponderExcluir